Aromaterapia: o que é, história e seus usos

Hoje em dia, a aromaterapia é utilizada de uma série de maneiras, seja em produtos para a higiene e beleza ou até mesmo em produtos destinados à saúde do corpo e da mente. Como seu próprio nome já diz, consiste na terapia feita com os aromas.

As fragrâncias provém dos óleos essenciais, que podem ser extraídos tanto de flores e folhas, quanto dos caules e raízes das plantas. Os óleos essenciais podem ser usados de formas diferentes: aplicados na pele, pulverizados no ar e inalados ou diluídos na água do banho.

Dessa forma, a aromaterapia tem o objetivo de promover uma série de benefícios. Eles são obtidos por meio das fragrâncias dos óleos essenciais que estimulam as emoções e as memórias, além de promover o bem-estar.

História da aromaterapia

A terapia com as fragrâncias é uma técnica bastante antiga, sendo que há milhares de anos, diferentes culturas já acreditam no poder terapêutico dos óleos de plantas aromáticas. Indícios do uso da aromaterapia são encontrados na antiga literatura védica da Índia, bem como nos textos históricos da medicina chinesa, regiões onde as plantas aromáticas são abundantes.

Esses registros datam mais de 5 mil anos, quando surgem as primeiras destilarias. Desde aquela época, a terapia com os aromas é indicada para tratar não só a saúde, como também a espiritualidade. Além disso, Hipócrates, tido como o pai da medicina, fazia uso das plantas aromáticas para combater a praga em Atenas.

Da mesma forma, os soldados romanos emergiram-se em banhos aromáticos e recebiam massagens com óleos essenciais para se fortalecerem. Também há indícios que os egípcios eram uma referência na aromaterapia, sendo que médicos de todas as partes buscavam os seus conhecimentos.

Evolução da aromaterapia

Já em 1.000 D.C., os métodos empregados na terapia se modernizaram com o médico iraniano Avicena, que incluiu o sistema de arrefecimento (refrigeração) no processo de destilação. Com isso, a obtenção dos óleos essenciais se tornou mais refinada e eficiente.

A partir disso, há registros que o poder dos óleos essenciais ajudou a combater a praga do século XIV, embora tenha se difundido com mais ênfase nos séculos seguintes, quando foram desenvolvidos estudos sobre as propriedades antibacterianas das plantas. Nesse momento, foram descobertas as composições químicas dos óleos essenciais.

Depois de um período de estagnação desses estudos, em 1920, o químico francês, René Maurice Gattefossé, ajudou a trazer de volta a aromaterapia. Descobriu, por exemplo, que há óleos com efeitos antissépticos.

O cirurgião francês, Jean Valnet, também foi um dos estudiosos que contribuíram para a propagação da aromaterapia, inclusive, usando os óleos essenciais para tratar soldados feridos. Assim, essa terapia evoluiu ao longo dos anos e mais recentemente foi introduzida na indústria dos cosméticos.

Usos da aromaterapia

Atualmente, a aromaterapia está presente em diversas áreas, como tratamento auxiliar alopático ou homeopático, quanto em produtos para higiene, beleza e bem-estar. No caso dos tratamentos, têm efeitos não só no físico, quanto no psicológico e no emocional dos pacientes. Cada óleo possui as suas propriedades e profissionais capacitados podem indicar o melhor óleo essencial conforme a sua necessidade. 

Nossos blends exclusivos de óleos essenciais foram cuidadosamente desenvolvidos para trazer momentos de bem-estar natural ao seu dia a dia.

Deixe uma resposta